Perguntas e Respostas

ATENÇÃO:    A MAIORIA DAS PERGUNTAS NÃO VAI SER RESPONDIDA! Perguntas que beneficiem muitas pessoas têm mais chances de serem respondidas. Não submetam casos individuais. Mesmo perguntas pertinentes podem não vir a  ser respondidas, ou pode haver demora de meses até que sejam.

Este site não pretende substituir uma consulta convencional. NADA substitui a presença física do paciente, a história clínica e os exames corretos. Apesar de todo cuidado ser tomado para que não hajam mal entendidos, não podemos nos responsabilizar por  possíveis erros clínicos decorrentes da falta de informações imprescindíveis.

.

A intenção do serviço é beneficiar o maior número possível de pessoas, portanto APENAS questões de interesse geral (ou de grande número de pessoas) são respondidas no site. Agradecemos a compreensão.

Equipe Reumatologia Avançada

.

  1. Rachel disse:

    O que significa o exames FATOR REUMATÓIDE? Significa a presença de algum reumatismo?
    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br
    Rachel, esta questão é bastante frequente, de forma que criei um post para respondê-la. P.f. acesse este link: Aqui

    poker stars

  2. eliane disse:

    Dr, tenho dermatomiosite e tomo prednisona. Meu maior problema é que engordei muito! Tem alguma coisa ou medicamento que posso tomar para perder peso? Posso fazer a cirurgia do estomago?

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiavançada.com.br
    Se Dermatomiosite é mesmo seu dianóstico, outras medicações podem ajudar, mas a cortisona é fundamental, pelo menos na fase inicial do tratamento. Tenho certeza que seu reumatologista se preocupa tanto quanto você com os efeitos colaterais desta substância e vai, assim que possível, retirando a medicação. Regimes podem e DEVEM ser feitos, e individualizados. Mas cirurgia bariatrica, em vigência da sua doença e das medicações, só em casos extremos. Tenha paciência e tenha ao seu lado um reumatologista no qual confia.

  3. André disse:

    Gostaria de saber se há possibilidade do exame de FAN ficar negativo depois do tratamento do lupus

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com

    Sim, isto ocasionamente, mas não obrigatoriamente, acontece. Um paciente pode estar em remissão do Lúpus por muitos anos sem ter a negativação do FAN. Este exame é positivo em 99% dos indivíduos com lupus, mas sua presença não dá o diagnóstico da doença (muitos têm FAN positivo sem ter esta ou outra doença) ou indica atividade da mesma.

  4. rosi disse:

    Qual o valor normal para o FATOR REUMATÓIDE? A partir de quanto ele determina doença?

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br

    O valor normal do fator reumatóide (FR) varia de laboratorio para laboratório. A maioria deles considera normal todo valor inferior a 15.0 UI/mL, mas isso depende do método usado. Confirme os valores normais junto ao seu médico e ao laboratório no qual realizou seu exame. De qualquer forma, o FR é frequentemente positivo em pessoas normais (de 4 a 25%, dependendo da idade), e sua presença não indica doença, fora de um quadro clínico sugestivo.

  5. regina disse:

    Descobri há 2 anos que tenho sacroiliite, e agora não consigo levantar, tenho muita dificuldade em me movimentar, alguns medicos disse que é um problema que não tem cura, vou ter que viver sempre com essa dor infernal? qual é a consequencia dessa doença, corro o risco de ficar sem andar? obrigada

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br
    Muito em breve teremos neste site um texto sobre “espondiloartropatias”, as diversas condições que podem levar à sacroileíte. Fique de olho! Em poucas palavras, já existe sim tratamento eficaz. Procure um reumatologista!

  6. Dr. ming, o meu médico diagnosticou costocondrite. Como saber se tb não pode ser síndrome de tietze. Sinto muitas dores nas costela, e tirei várias radiografias e não aparece nada. Qual o exame mais correto a fazer? Grata.

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br
    Na verdade a diferenciação de costocondrite e S. de Tietze é de importância mais acadêmica do que prática. Para você pouco importa. O tratamento é o mesmo e ambas são benignas, apesar de incomodar e frequentemente recidivar.

  7. Ivanilson Alexandre disse:

    Gostaria de saberse existe algum tratamento eficaz e acessivel capaz de controlar o avanço da espondilite anquilosante, sou portador desta doença e os anti-inflamatórios já não respondemcomo deveriam, estou em desespero, em plena atividade laborativa pois tenho 38 anos, me vejo prestes ateminha vida destruída por esta doença, prestes a deixar de trabalhar, deixar de estudar e ver todos os meus sonhos destruídos, por favor me ajude.

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br

    Existem novos medicamentos (os BIOLÓGICOS) bastante eficazes na melhora dos sintomas, da qualidade de vida e da progressão da Espondilite Anquilozante. Apesar de bem tolerados e eficazes, estas novas drogas têm custo alto e só devem ser prescritas por Reumatologistas experientes, de preferência ligados a algum centro de referência. Marque consulta com um reumatologista ou solicite no posto de saúde o encaminhamento para o serviço de reumatologia de um centro destes próximo a você!

  8. Cleonice Ferreira de Araujo disse:

    Gostaria de saber se o Lupus é transmitido sexualmente. Obrigada!

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br
    Não. Não há qualquer possibilidade de transmissão.

  9. marcus disse:

    Meu ácido úrico está em 8,7 o que devo fazer?

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br
    O ácido úrico elevado muito frequentemente acontece dentro de um conjunto de alterações mais amplas, chamado de síndrome metabólica (pressão alta, colesterol ruim, triglicérides alto, tendência a diabetes, esteatose hepática [gordura no fígado]). Há uma crescente tendência a se achar que o ácido úrico não está aí por acaso, e que teria alguma culpa nos outros problemas. Mas isso ainda é muito discutido e polêmico. Hoje a opinião dos especialistas é que ácido úrico menor que 7 é bom, entre 7 e 10 é elevado, mas não necessita tratamento a não ser que esteja causando crises de gota, e acima de 10 deve ser tratado mesmo se aparentemente não estiver causando nenhum problema. Os demais ítens da síndrome metabólica devem ser tratatos agressivamente. Em resumo, se vc não tiver gota, não precisa tomar remédio para o ácido úrico. Diminua a ingesta de álcool, perca a barriguinha e faça exercícios regularmente.

  10. francisca francilma cavalcante disse:

    Tenho 47 anos, sou portadora de esclerodermia (esclerose sistemica, diagnosticado em 1983. Gostaria de saber se já existe um tratamento mais especifico. Sofro muito com lesões nas extremidades, ultimamente nos pés. E gostaria de saber também qual o especialista para cuidar da esclerose sistemica. Obrigada.

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br
    Em poucas palavras, Esclerose Sistêmica, também chamada de esclerodermia, é uma doença autoimune que ataca os pequenos vasos sanguíneos, principalmente da pele. O quadro clínico é muito variável, bem como a agressividade da doença. Muitos que são diagnosticados com a doença têm uma vida normal e outros nem chegam a saber que a têm. No entanto a doença pode ser bastante agressiva e imprimir grande sofrimento, principalmente no inverno. Em breve será publicado neste site um texto completo sobre esta doença, com detalhes sobre sintomas, evolução e tratamento. É uma doença bastante rara e mesmo reumatologistas bem treinados (é essa a especialidade que deve tratar a esclerose sistêmica) muitas vezes não vêem nenhum caso depois que saem da universidade. O ideal é seguir com um serviço de reumatologia dentro de um centro universitário. Ao menos tenha certeza de que seu reumatologista se sente confortavel em tratar a doença.

  11. Olá, sou portadora de behçet diagnosticado há 3 anos, porem sofros com os sintomas des de criança,e tudo q sei sobre a doença é pela internet, pois sao poucos os medicos q conhecem. Agora estou sendo acompanhada por um bom reumatologista, aqui em buzios. Ele é o único q conhece a doença e eu sou sua primeira paciente com o problema. Eu gostaria de saber se o portador de behçet, pode fazer uso de antibioticos?

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br
    A prevalência da Doença de Behçet varia muito segundo a região do mundo. Curiosamente ela é mais freqüente na região da antiga rota da seda, desde o japão até o mediterrâneo, passando pela Ásia, Cáucaso, Oriente Médio. A Turquia parece ter a maior prevalência. Lá, em cada 100.000 habitantes de 80 a 370 pessoas têm a doença. Não se sabe ao certo quantas pessoas sofrem de Behçet no Brasil, mas, se não rara, a doença é pelo menos bastante infreqüente aqui. Mesmo assim um reumatologista deve estar apto a diagnostica-la e trata-la. Não há qualquer problema em se utilizar antibióticos em pacientes com Behçet.

  12. rachel disse:

    Olá Dr. Pedro há 7 anos tenhos caroços seguida de vermelhidão sendo que elas veem e vão só na perna, ultimamente estão vindo com mais frequencia e maiores e doendo mais , quero uma opnião do Senhor.

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br
    Impossível dar opinião séria sem ver e, as vezes, sem biopsiar. Sem compromissos, sua descrição lembra a de “paniculite”. Paniculite é, ao pé da letra, uma inflamação no subcutâneo. Existem vários tipos, mas o mais freqüente e conhecido é o eritema nodoso. Aparecem geralmente nas pernas como inflamações elevadas, doloridas, inicialmente avermelhadas mas que vão tomando um tom mais escuro quando vão “sarando”. O processo todo geralmente leva de 1 a 3 semanas e freqüentemente fica uma mancha no local. Pode acontecer mais de uma lesão simultaneamente. Em cerca de 30 a 50% das vezes não é encontrada causa para o problema. Mesmo assim há tratamentos que minimizam o incômodo. Mas na maioria das vezes o processo é uma reação autoimune provocada por um outro problema sistêmico ou a distância. Uma enorme lista de condições infecciosas e imunológicas podem causar paniculites. O caso pode ser conduzido por um reumatologista e/ou um dermatologista.

  13. franci disse:

    Dr. tenho duvidas quanto a um diagnostico não fechado de les.Tenho fan positivo desde 2006. Na ocasiao fui acometida por uma paraplegia sem causa definida, fiz ressonância e o resultado foi sugestivo de mielite transversa. Me trato com o neuro e reumato, tomo corticoides desde então. O que mais me intriga é que meus pés são dormentes quando fico muito tempo sentada, meu corpo fica rigido ao levantar, o que nao acontece pela manha, na sua avaliação por que isso acontece? Não sinto nenhum sintomas do Lupus. O que posso ter então? Tenho 30 anos.

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br
    Concordo com você quando diz que os sintomas não parecem ser atribuíveis a LUPUS. Apesar desta doença poder ocasionalmente atingir o sistema nervoso central, a história da sua doença não sugere LUPUS. O FAN pode ser positivo em uma porção bastante significante da população saudável e, por sí, não confere o diagnóstico de LUPUS. Se a rigidez que vc sente após longos períodos de atividade for secundária a artrite (inflamação na articulações), seu reumato não terá dificuldades em dizê-lo. Difícil dar opiniões sobre o diagnóstico sem uma consulta formal, mas acho que quem deve conduzir a investigação é um neurologista.

  14. Bruna disse:

    Caro Dr. Pedro, Nao tenho nenhuma pergunta, mas gostaria de dizer que achei o site ótimo, muito completo, um grande serviço aos sofridos pacientes da Reumato. E também que desejo a vc todo o sucesso do mundo! Bruna

    Dr. Pedro Ming
    Cara Bruna, agradeço o incentivo. Fico feliz com a perspectiva em poder ajudar um pouco mais esses pacientes e seus familiares. Obrigado!

  15. Tânia Maria Fonseca disse:

    Tenho artrite dermademiosite, que ocasionou um PID. Gostaria de saber o que vem a ser um PID e o significado da sigla!
    Fasso tratamentos na UERJ.

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br
    PID é a sigla em inglês para Doença Pulmonar Intersticial. Algumas doenças reumatológicas podem acometer também o pulmão, e a PID é a manifestação pulmonar da dermatomiosite. Ela é geralmente bem controlada com medicações imunossupressoras mas, se não tratada, pode levar a insuficiência respiratória. Você está em ótimas mãos na UERJ. Tenho certeza que tudo sairá bem.

  16. Lucilene F. F. Pinharbel disse:

    Tenho artrose e sacroileíte. Gostaria de saber se medicamento a base de condroitina e glicosamina fariam efeito benefico para os dois problemas, por quanto tempo deveria usar e se posso comprar sem receita medica. Agradeço a atenção. Obs: toda vez que faço hemograma o mesmo acusa anemia e de vez em quando preciso tomar sulfato ferroso. Me informaram que a anemia é crônica por causa da sacroileíte. Será verdade isso?

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavançada.com.br
    A artrose (desgaste das articulações) parece ser beneficiada do uso de glucosamina + condroitina (G+C). Eles são componentes do líquido sinovial, o lubrificante das articulações. Este benefício aparece em estudos onde G+C trouxeram mais alívio para a dor 2aria à artrose do que o placebo. Não existem provas de que G+C realmente impeça ou diminua a velocidade de progressão da artrose, mas isso eventualmente pode ser devido à dificuldade em quantificar esta progressão em estudos científicos. A sacroileíte (inflamação de origem autoimune na articulação entre os ossos sacro e ilíaco, na bacia) não é tratada com as substâncias (G+C), mas a artrose 2aria a ela talvez seja. De qualquer forma a sacroileíte nem sempre deve ser tratada. Há dúvidas se os imunossupressores convencionais e acessíveis são eficazes em seu tratamento e outros muitas vezes não têm uma relação custo-efeitos colaterais-benefícios muito favoráveis. São principalmente usados quando a sacroileíte vem acompanhada de inflamação em outras partes do corpo ou quando ela é 2aria a doenças mais sistêmicas e complexas. Uma inflamação crônica, persistente, pode sim levar a anemia (de doença crônica), mas ela não melhora com sulfato ferroso. Se a sua melhora, é provavelmente 2aria a falta de ferro. Um exemplo (não posso afirmar de que seja seu caso), uma doença inflamatória crônica no intestino pode causar perda de ferro, anemia de doença crônica E sacroileíte. Só seu médico pode fazer uma avaliação mais precisa.

  17. Viviane disse:

    Tenho 31 anos, há um mês estou com umas petequias manhas vermelhas nas pernas , sola dos pés e braços,e a garganta também muito vermelha fui ao médico e fiz exames de sangue pensando ser dengue, mas de negativo, minhas plaquetas plaquetas foi 173.000, 146.000, 140.000 e a ultima 143.000 a médica me encaminhou para um reumatologista disse que eu posso está com púrpura é possivel?

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br
    É possível, mas também é possivel que se trate de uma outra virose aguda, a própria dengue (a sorologia pode vir negativa se colhida com menos de 7 dias), ou ainda uma infecção desencadeando a púrpura (de henoch schelein). Faltam dados, exames e a evolução, para eu poder dar um palpite. Acho boa a idéia de vc passar em um reumato.

  18. Mariaeli da s. Oliveira disse:

    Dr Pedro Ming, minha filha de 11 anos, à 1 ano e meio atrás teve um quadro de febre, tontura, dor abdominal, cefaléia intensa, petéquias generalizadas, plaquetopenia, leucopenia, sangue na urina. No inicio desconfiaram de dengue, leucemia, depois de les, teve fan positivo padrão homogeneo 1/640, com placa metafásica, anti cardiolipina positivo igm 16, um único resultado positivo para rnp e ro, teve púrpura, aftas, queda de cabelo, pneumonia, meningite linfocitária, dores articulares. Fez exames praticamente a cada dois meses, neste 1 ano e meio, e esta tomando hidroxicloroquina. Tomou prednisona até um mes atrás, também tomou metrotexato durante um tempo, agora ela esta bem e os exames que continuam dando positivo e o fan com o mesmo padrão, as vezes com titulos mais baixos outras mais altos, anti-cardiolipina igm 13. As, as dores pelo corpo melhoraram, apenas dores de cabeça ela tem quase todos os dias. Perguntei para reumatologista se foi erro do laboratório o rnp e ro positivo se agora dá negativo, ela me disse que os anticorpos são flutuantes. Queria saber se isto é verdade, se tem alguma chance dela não ter lúpus, analisando o quadro que eu descrevi.

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br
    Como descrito neste site, no texto sobre LUPUS, esta doença tem mil faces e seu diagnóstico as vezes é difícil. Apesar de os sintomas todos se encaixarem em lupus, a evolução (um único episódio agudo seguido de convalecência completa) sugerem mais uma doença viral aguda. Na presença de FAN + 1/640, e dos outros marcadores que vc descreve, provavelmente também eu teria dado este diagnóstico, mas há sim a chance de sua filha não ter LUPUS. A evolução dará a última palavra. É sim verdade que os títulos dos anticorpos são flutuantes, e que podem negativar em determinados momento. Mas também há a chance de erro laboratorial imperfeições do kit.

  19. Mariana disse:

    A dois anos atraz fui diagnosticada com FR após muitas amidalites. Tive dores horriveis nos pés, joelhos, panturrilhas, quase não consegui andar. Por ser alergica a penicilina, meu medico não receitou as doses de bezetacil, e informou não ter nenhum tratamento indicado para meu caso. Para aumentar minha imunidade ele me receitou LEUCOGEN, e eu tomei este remedio por 6 meses. Não tenho mais dores fortes, sinto apenas muito cansaço e tenho apresentado pressão alta com frequencia, qual seria o tratamento indicado para meu caso?
    Não encontrei nenhum bom reumatologista em minha cidade e pelo SUS não temos nenhum a nossa disposição.

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br
    É possível que vc tenha tido mesmo uma febre reumática (FR), mas a história que vc me conta é muito sucinta. Outros detalhes e exames se fazem necessários para que se possa palpitar no diagnóstico. Caso vc tenha mesmo tido FR, saber se foram 1 ou + episódios, se houve ou não acometimento cardíaco, se coréia ou outras manifestações neurológicas aconteceram, entre outras coisas, é fundamental para sugerir o tratamento/ acompanhamento. Ter tido FR, mesmo sem acometimento cardíaco inicial, implica em risco de outras crises e de seqüelas graves, se elas não forem prevenidas. Bezetacil (Penicilina Benzatina) de 21 em 21 dias é mesmo a melhor forma de evitar novas crises. Muita gente acha que é alérgica a penicilina e não é. Isso também precisa ser melhor esclarecido. Caso seja realmente alérgica (e tenha mesmo tido FR) o tratamento (e a prevenção) deve ser feito com sulfadiazina, um outro antibiótico. Lamento mas se não há reumatologistas a disposição para vc onde vc mora terá que se deslocar para uma outra cidade para uma consulta.

  20. Marisa disse:

    Tomei a vacina da H1N1 fazem 2 dias agora estou gripada, com bastante coriza e congestionada nas vias aéreas. Posso tomar algum medicamento?

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br
    Não consigo atribuir o seu quadro atual à vacina H1N1 por 2 motivos: 1, a vacina é feita com fragmentos virais, incapazes de infectar; 2, os sintomas que vc descreve são mais sugestivos de um resfriado (sintomas predominantes em vias aéreas superiores, como nariz e farínge) e não de gripe (sintomas predominantes em vias aéreas inferiores, como faringe, traquea e brônquios), portanto é pouco provável que o responsável pelo seu quadro atual seja o Influenza. É comum atribuirem injustamente à vacina a culpa de alguma infecção. Isso se chama vício de recordação: muita gente pega gripes e resfriados, mas aquelas que se vacinaram tendem a ligar a doença à vacina. E assim a notícia se espalha… De qualquer forma, pode tomar os sintomáticos de sempre sem medo!

  21. andresa disse:

    Tenho 30 anos e, de uns 3 anos para cá, venho sentindo uma espécie de travamento nas virilhas, axilas e algumas juntas do corpo. Se fico algum tempo na mesma posição, quando vou me mexer dói os nervos, ficam meio paralisados, tenho que me mexer aos poucos até conseguir esticar tudo o corpo. Isso acontece diariamente em qualquer situação, basta eu estar parada alguns minutos… A parte pior é nas virilhas, pois não consigo andar de imediato quando me levanto da cama,ou quando saio do carro,levanto do sofá etc…. É uma dor passageira, com um pouco de aquecimento consigo andar novamente depois de alguns minutos. Será que o Dr. pode me explicar de onde vem isso e qual as medidas que devo tomar?

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br
    Quando um reumatologista se depara com uma dor articular (artralgia), antes de tentar inferir o diagnóstico, ele se pergunta sobre a natureza da dor: ela tem características mecânicas (lesão direta, por esforços repetitivos, desgates ou deformidades, por exemplo)? Ela tem características neuropáticas (dor de origem nos nervos ou coluna)? Tem características inflamatórias? Uma característica tipicamente inflamatória chama-se rigidez matinal. “Matinal” porque é neste período que tipicamente voltamos a nos mexer após longo tempo de inatividade. Tanto artralgias por desgaste (artrose) quanto inflamatórias (artrites) tendem a estar piores neste início de movimento, e melhoram com ele. Mas na artrose essa melhora tende a ser rápida (segundos a minutos) enquanto na artrite ela tende a ser mais demorada (uma ou várias dezenas de minutos). A sensação pode ser de dor e/ou rigidez, como se as juntas estivessem enferrujadas. Você não descreve o tempo de rigidez que enfrenta nas manhãs, mas é muito jovem para desgastes. É possível que você esteja experimentando rigidez matinal e, portanto, artrite inflamatória. Existem muitos tipos delas. Vale a pena uma consulta com um reumatologista!

  22. roberto disse:

    ESTOU COM ESPORÃO DE CALCANEO QUE NÃO MELHORA , MEU ACIDO URICO ESTÁ 7,8 , ISTO TEM ALGUMA RELAÇÃO???

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br
    Não, as 2 coisas não estão diretamente relacionadas. O ácido úrico elevado pode, em algumas pessoas, dar gota, mas não esporão no calcâneo. Gota é uma inflamação em articulações (”juntas”) pelo depósito de cristais de ácido úrico. Ela geralmente acontece de forma aguda, intensa, resolvendo-se em até 2 semanas. Dificilmente a gota é confundida com a dor do esporão, que não é articular e é mais contínua. O esporão (encontrado no raio-x) pode ou não estar relacionado com a dor. Muita gente tem esporão e não tem dor. Quando dá dor, esta é relacionada a compressão de partes moles (pele, subcutâneo, tendões, músculos, etc) entre o esporão e o calçado. Isso pode acontecer no calcanhar atrás, aonde se insere o tendão de Aquiles, ou em baixo, na sola do pé, aonde se insere os tendões do pé. A solução para o problema está em utilizar calçados confortáveis (aberto ou folgado atrás e macios em baixo. Uma palmilha de silicone pode ajudar neste último caso). O alongamento da panturrilha e dos tendões próximos à sola do pé é parte importante do tratamento e deve ser auxiliado por fisioterapeutas, se possível. Antiinflamatórios tópicos (de aplicação local) ou via oral auxiliam no controle da dor, mas ela tende a voltar, se outras medidas não forem tomadas.

  23. daniela fiorini disse:

    Sou portadora de lupus sistêmico e estava em uso de sibutramina com grande sucesso em perda de peso, depois de grande uso de corticóides. Tenho complicações retinianas e meu reumatologista pediu que suspendesse a sibutramina sob o risco de piora da retina. Não tenho hipertensão ou doença cardiaca. Solicito sua orientação, pois já recuperei peso e pioram muito as minhas dores. Obrigada.

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br
    A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou, dia 27 de fevereiro deste ano (2010) um alerta sobre o uso de sibutramina, uma medicação usada para auxiliar o emagrecimento. O aviso é baseado em no estudo SCOUT (Sibutramine Cardiovascular Outcomes), que avaliou 10 mil pacientes durante seis anos e demonstrou aumento de 16% no risco de eventos cardiovasculares como infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral (derrame) e parada cardíaca. No Brasil a ANVISA contra-índica a substância para pacientes obesos com antecedentes de doenças cardio e cerebrovasculares (aqueles que no estudo tiveram mais problemas). Na Europa a sibutramina foi proibida por completo. Não há nenhuma recomendação específica para LUPUS nem no Brasil nem lá fora, mas ao suspende-la, seu reumatologista provavelmente levou em consideração o fato de doenças cardio-vasculares serem a maior causa de morte nos pacientes lúpicos. O uso prolongado de corticóides e a inflamação crônica são 2 fatores de risco importante para este problema. De qualquer forma, enquanto não houverem determinações específicas para cada caso, cabe ao médico especialista avaliar os riscos e benefícios do uso desta droga.

  24. Adriane disse:

    Desde pequena, minha filha apresenta varios problemas de saúde, sopro, infecções de garganta (mesmo fazendo cirurgia de amidalite aos 4 anos), eritemas nodosos, nos exames sempre há alterações estreptococcus, infecções de urinas repetitivas. O cardiologista diagnosticou febre reumática. e prescreveu benzetacil IM de 21 em 21 dias, ela tem 16 anos e terá que fazer o tratamento até os 18 anos. só que estou encontrando resistência da parte dela para fazer este tratamento. o que eu posso fazer?

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br
    Infecções na garganta e ASLO elevado, mesmo após a amigdalectomia, são comuns em crianças, mesmo saudáveis. O sopro cardíaco e os nódulos subcutâneos, no entanto, tornam o diagnóstico de FR mais provável (faltam-me dados para confirmar). Se ele estiver correto, por mais desconfortável que seja a penicilina benzatina, ela é mesmo a melhor forma de evitar as sequelas mais graves desta doença. Alérgicos à penicilina recebem sulfadiazina, mas esta e outras opções de antibióticos via oral não se mostraram tão eficazes quanto a velha bezetacil. As diretrizes brasileiras atuais (2009) determina, inclusive, que as injeções continuem bastante além dos 18 anos: até os 21 para qualquer paciente com FR; até os 25 anos para paciente com cardite (sopro) leve ou mesmo que tenha sumido; até os 40 anos ou para vida toda para pacientes com cardite importante. Isto, ou até 5 anos após o último surto da doença, o que vier DEPOIS. Sabe-se também que algumas pessoas terão que tomar as injeções de 15 em 15 dias, não 21 em 21. É absolutamete fundamental que as pessoas com este diagnóstico sigam este esquema. Sem tratamento a doença pode destruir as válvulas cardíacas podendo inclusive levar à necessidade de transplante! É ainda a causa mais comum de cirurgias cardíacas no Brasil.

  25. Samantha disse:

    Gostaria de saber se é correto afirmar que uma pessoa com resultado do Antiestreptolisina O de 347 é portadora da Febre Reumática, ou é só uma condição por ter tido contato com alguém que tenha a Doença já instalada. Grata, e no aguardo à resposta, Samantha.

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com
    ASLO (anticorpo anti-streptolisina-O) marca a presença (e a quantidade) de um anticorpo contra uma bactéria específica, o Streptococcus. Ela é a bactéria que causa a dor de garganta (amigdalite/ faringite) comum. Algumas raras pessoas podem desenvolver um tipo de reumatismo (Febre Reumática) cerca de 3 a 5 semanas após a infecções de garganta. A positividade do ASLO significa apenas que você teve contato com esta bactéria (a maioria de nós tem, anualmente), mas não que tenha desenvolvido a doença. Portanto este exame só é útil para AJUDAR a diagnosticar Febre Reumática, dentro de um contexto clínico bastante sugestivo.

  26. Renan disse:

    Tenho uma viagem com minha namorada agendada para o Chile (Santiago) e pretendemos esquiar. Ela é portadora de Lupus Eritematoso Sistemico, disgnosticada há 7 anos e paciente do HCFMUSP. Existe alguma possibilidade dela ter problemas com a altitude? Pretendemos visitar um local que fica a 3000m de altitude. Além disso, ela pode ter problemas com o avião, por conta da pressão?

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br
    Não há relação entre a altitude e o Lupus. No entanto, ela deve se preocupar particularmente com a exposição solar. O sol (e em muitos casos mesmo a luz branca, fria), pode desencadear lesões de pele do lupus ou até a doença sistêmica. Na altitude há menos filtro UV na atmosfera, e a neve reflete toda a luz! Protetor solar com fator de proteção maior que 30 em todas as áreas expostas, a cada 2 horas! Em voos prolongados, outra preocupação é trombose. Alguns lúpicos possuem anticorpos que dão maior tendência a tromboses (síndrome do anticorpo anti-fosfolípide). Sendo sua namorada uma paciente da FMUSP, ela certamente já sabe se ela tem ou não esses anticorpos e, se tiver, já é efetivamente anticoagulada. No entanto é sábio ela levantar-se ocasionalmente e movimentar as pernas com freqüência.

  27. Renata disse:

    Fiz exame há pouco tempo e, deu alteração: estreptolisina O entre 200 a 400 UI/ml porém, a PCR deu negativa.
    Venho sentindo dores nas mãos, segundo o médico pode ser artrite. Gostaria de saber se pode ser reumatismo pois, aonde moro não tem médico reumatologista.
    Obrigada

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br

    Cara Renata, o ASLO (anticorpo anti-streptolisina-O) marca a presença (e a quantidade) de um anticorpo contra uma bactéria específica, o Streptococcus. Algumas raras pessoas podem desenvolver um tipo de reumatismo (Febre Reumática) cerca de 3 a 5 semanas após infecções de garganta por esta bactéria. A positividade do ASLO significa apenas que você teve contato com esta bactéria (a maioria de nós tem, anualmente), mas não necessariamente que tenha desenvolvido a doença. Portanto este exame só é útil para AJUDAR a diagnosticar Febre Reumática, dentro de um contexto clínico bastante sugestivo. A PCR (proteína-C reativa) é uma proteína produzida pelo fígado em reação a um estímulo inflamatório em algum lugar do corpo. Sua negatividade diminui a possibilidade de, naquele momento, estar ocorrendo alguma inflamação importante no seu corpo. A grande maioria dos “reumatismos” são doenças inflamatórias e tendem a elevar o PCR, mas isto nem sempre acontece (inflamação inicial, fraca ou bastante localizada). Em fim, estes exames, isoladamente, não vão dar o diagnóstico (ou exclui-los). Pode sim ser um reumatismo e, se seu clínico geral não estiver conseguindo resolver e se os sintomas persistirem, a sra terá que se deslocar até um reumatologista. Atenciosamente,

  28. Luís Ricardo disse:

    Olá, tenho 17 anos e tenho reumatismo palindrômico, gostaria de saber quis os exercícios físicos mais recomendados para o tratamento do problema.

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br
    Caro Luis Ricardo, o reumatismo palindrômico se caracteriza por momentos de atividade (artrite) e momentos de remissão, onde não há sintomas residuais. Durante a remissão, vida normal! Faça os exercícios que mais gosta. Durante as artrites, no entanto, é sábio poupar as articulações atingidas. Esforço sobre uma articulação inflamada pode piorar o quadro. Vale dizer, no entanto, que pacientes com artrites persistentes (na artrite reumatóide, por exemplo) podem e devem fazer exercícios assistidos por profissionais experientes (geralmente isométricos). O fortalecimento da musculatura estabiliza a articulação ajudando a protege-la.

  29. Sonia Regina Beccaro disse:

    Estou apresentando manchas pelo braço e pernas como se fosse uma alergia alimentar, mesmo após tratamentos com antialérgicos. Na minha última consulta me foi sugerido procurar um reumatologista, pela possibilidade de que seja alguma “deficiência nos dos rins”. Seria realmente um caso reumatológico? Nesse ultimo mês, ao término da medicação, essa alergia tem voltado mais intensa. Será que o sr. poderia me esclarecer?
    Grata! Sonia.

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br

    Olá, Sônia. Vamos por partes: em primeiro lugar, a especialidade que trada dos rins é nefrologia. O reumatologista também trata dos rins, quando a causa da doença renal é uma doença reumatológica. Lupus, por exemplo. Imagino, no entanto, que a Sra. tenha sido encaminhada para um reumatologista porque algumas vasculites (inflamação nos vasos sanguíneos) podem se apresentar de forma muito semelhante a urticárias (alergias cutâneas). E vasculite é um assunto tratado por reumatologistas. Se há dúvidas no diagnóstico do seu problema na pele, e se o tratamento para alergia está sendo ineficaz, realmente passa ser interessante uma consulta com um reumatologista.

  30. Andréa disse:

    Dr. Pedro meu filho esta com dor nas pernas, e o joelho esta inchando um pouco todos os dias ele levanta mancando e com dificuldade pra andar reclama muito de dor e depois no decorrer do dia ele fica bem, corre, brinca normal, mas na manha seguinte ele levanta do mesmo jeito. A pediatra disse q é dor do crescimento, mas a dor persiste. Me ajude, por favor, ele tem apenas 03 anos!!

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br

    Cara Andréa, A chamada “dor do crescimento” acomete um grande número de crianças entre 3 e 15 anos. O nome, aparentemente cunhado em 1823, por Duchamps, não é apropriado, no sentido de que não é o crescimento a causa da dor. Por outro lado, ela é desconcertantemente pouco conhecida ainda hoje, e provavelmente multifatorial (acúmulo de ácido lático nos músculos, microtraumas e tração em periósteo, tendões e outras estruturas, fatores psicogênicos…). Corrobora com o parco entendimento da entidade o fato de que todos os exames sejam normais nestes pacientes. Assim, as dores do crescimento foram mais corretamente denominadas “dores recorrentes dos membros inferiores” ou ainda “dores benignas da infância”. No entanto, os pacientes sentem dores nos membros inferiores difusas, mal caracterizadas, recorrentes, geralmente fora das juntas, de intensidade grande o suficiente para atrapalhar o sono e causar choro. Essas dores ocorrem mais especificamente nas coxas, panturrilhas, região anterior das tíbias, atrás dos joelhos, classicamente no final de um dia fisicamente “puxado”. Em um número grande de pacientes, no entanto, acontecem a qualquer hora do dia. Várias doenças reumatológicas, hematológicas, até mesmo endocrinológicas podem cursar com dores nos membros, contudo as avaliações clínica, laboratorial e radiológica devem demonstrar alterações que não estão presentes nas dores do crescimento. Não se espera, na dor do crescimento, inchaço, calor, vermelhidão, fraqueza muscular ou atrofias.
    Não é possível determinar o diagnóstico do seu filho sem examina-lo, sem exames e com apenas as poucas informações fornecidas. Dor do crescimento é uma possibilidade para ele, mas alguns dados indicam o contrário: dor ao acordar que melhora com a movimentação e o inchaço. Sugiro uma consulta com um reumatologista ou, ainda melhor, um reumato-pediatra.

  31. Silvania Santos disse:

    Ola Doutor. Tenho 31 anos e fui diagnosticada de artrose no joelho e cervical, porém está no inicio. Faço natação e gostaria de saber se posso fazer o nado peito, já que movimenta muito as pernas. Será que vai me prejudicar ou melhorar o meu joelho? Obrigada!

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br

    Cara Silvania, artrose é um processo que se inicia ao nascimento e só para na morte. Mesmo com 31 anos, todos temos alguma artrose em coluna, mesmo que em muitos isso não seja visualizavel. No entanto a correlação entre o “bico de papagaio” na coluna com a dor é ruim. Pode-se ter muita artrose e nenhuma dor, e muita dor e nenhuma artrose. Portanto, esqueça essa “artrose inicial na coluna”. A rigor, o mesmo vale para o joelho, mas aqui a visualização de alterações ao Rx com 31 anos não é frequente. Um reumatologista pode ajudá-la a confirmar o diagnóstico, entender as causas e verificar se há algo a fazer para frear a evolução. De qualquer forma, natação, e qualquer outro esporte sem impacto, é o que há de melhor para ajudar a poupar a articulação do desgaste. A musculatura fraca sobrecarrega a articulação!

  32. virginia disse:

    Tomo sibutramina a muito tempo. Gostaria de saber se esse medicamento
    pode dar dores musculares.

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br

    É descrito para esta medicação “dores nas costas e no corpo, similares a gripe” (http://www.drugs.com/sfx/sibutramine-side-effects.html). Mas se você toma esta substância há muito tempo, é pouco provável que ela seja a causa de suas dores. Muitos outros medicamentos (classicamente as estatinas, para o colesterol) podem dar dores musculares, mesmo após um longo tempo de uso. Seu médico pode auxilia-la em substituir a sibutramina, ou suspende-la por um tempo (possível em alguns casos), para tirar o resto das dúvidas.

  33. virginia disse:

    gostaria de saber se eu tenho fibromialgia, pois tenho muita dor nos musculos ao apalpar , nos joelhos pro lado de fora, e tambem a virilha doi muito me ajude se for possivel.grata

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br
    Cara Virginia, fibromialgia, entre outros sintomas, pode dar dor muscular, inclusive em joelhos e virilha, mas não é possivel, com tão poucos dados, dizer se é este seu diagnóstico. Fibromialgia é um “diagnóstico de exclusão”, ou seja, só pode ser feito depois de afastadas as outras possíbilidades. É impressindível uma tradicional consulta a um reumatologista (ao vivo e em cores) e alguns exames para que sua pergunta seja propriamente respondida.

  34. margareth disse:

    Tenho 48 an0s gostaria de saber o diagnostico para dor na junta do dedo
    mindinho e essa junta tem um carocinho e se apertar doi muito aiaiai
    obrigada

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br
    Cara Margareth, consigo pensar em muitas causas para seu mindinho ter um carocinho doloroso. Faltam-me dados (e um indispensável exame físico)! Temo que uma consulta cara-a-cara seja indispensável… Procure um reumatologista de sua confiança!

  35. Mareli disse:

    Dr. Pedro,
    Minha enteada, com 29 anos, vem apresentando a cerca de + ou menos 2 anos, quadros de trombocitopenia (baixa de plaquetas no sangue). Quando recém nascida teve episódios de convulsão sendo tratada por vários anos com Gardenal e depois o tratamento foi descontinuado, não tendo mais nenhuma convulsão. Ela teve uma filha de parto normal e nada aconteceu. Ha um período de 2 anos atrás acharam que ela estava com dengue devido estar com sintomas de: febre, dor no corpo e baixo némero de plaquetas que quase à levou internação (69.000). Depois disso teve diversos episódios de cansaço, por pequeno esforço, infecções repetitivas com resfriados, pneumonia, infecção urinária e constantemente (quase todo dia) com forte dor de cabeça (na região da nuca, sem pressão alta). A cerca de uma semana, além de estar urinando sangue com cólicas abdominais insuportáveis (ela é portadora de litíase), suspeitou-se que fosse cólica renal, mas não excretou nenhuma pedra. Fez ultrason e viram uma pequena pedra no rim (não nos ureteres e nem na bexiga). Apareceu também um monte de pintinhas vermelhas nas coxas, entre os joelhos e a virinha e quando foi à dermatologista, diagnosticou púrpura palpável. Após este diagnóstico e buscando informações na net a respeito da púrpura, notei que essa doença pode ser uma consequência de uma doença auto imune, como por exemplo o Lúpus eritematoso sistêmico. A dermatologista à encaminhou para a hematologista e suspeito que o melhor seria um reumatologista.
    Conforme esta histórico, qual o procedimento a ser tomado e qual suspeita diagnóstica seria, conforme sua experiência e conhecimento? O que deveríamos fazer? Se for Lúpus e com esta situação, ela está correndo algum risco fatal?
    Aguardo retorno e agradeço antecipadamente,
    Mareli

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br
    Cara Mareli,
    Como discutido mais profundamente do artigo deste site sobre Lupus, esta é uma doença de mil faces, e trombocitopenia pode sim ser uma delas. Superficialmente, arrisco a dizer que as dores abdominais e sangramento urinário da sua enteada sejam efetivamete cálculo renal, mas isso não explica as púrpuras ou a plaquetopenia. Os sintomas constitucionais (cansaço, febre, dor no corpo) podem fazer parte do Lupus ou de qualquer doença inflamatória ou infecciosa. Ou seja, não consigo afastar, ou confirmar, a hipótese de Lupus com estes dados, e a investigação está bem indicada. A hematologia intercala com a reumatologia em diversas frentes, de forma que a maioria dos hematologistas têm um razoável conhecimento sobre as doenças reumatológicas. Tenho certeza que se este profissional deparar com uma de nossas doenças ele vai expontaneamente encaminhá-la. Quanto à pergunta sobre o risco, sem o diagnóstico preciso fica difícil responder (as vezes é mesmo com o diagnótico), mas sangramentos expontâneos são raros com plaquetas a cima de 30.000.

  36. Guadalupe disse:

    Olá!
    A´pesar de não ter localizado costocondrite na lista de doenças tratadas pela reumatologia, recebi a indicação para procurar um reumatologista. É isso mesmo? Existe um tratamento efetivo pra costocondrite? Por que tantas crises? É incurável? Grata

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br

    Olá Guadalupe, você tem razão: costocondrite é mesmo tratada por reumatologistas. Já incluí esta e uma condição irmã, a Síndrome de Tietze, na relação de doenças reumatológicas deste site e escreví um artigo sobre o tema. Para ler clique aqui.

  37. marcio ribeiro silva disse:

    quando eu tinha 14 anos eu tive reumatismo coreia tive movimentos involuntarios, e dificuldade ate para conversar dai tomei bezentacil durante uns 9 meses seguidos dai nao tomei mais, a pouco dias tive uma tontura seguida de dormença pelo corpo sera que é a coreia?
    tirei eletro cardiograma ta tudo ok

    A Febre reumática (FR) é uma doença auto-imune (onde o sistema imunológico ataca partes do próprio corpo), desencadeada por uma infecção na garganta por uma bactéria específica, o Estreptococos. Entre as suas possíveis manifestações estão a artrite (inflamação nas juntas), artralgia (dor nas juntas), febre, alterações no eletrocardiograma, elevação dos exames de inflamação, cardite (inflamação no coração e/ou nas suas válvulas) e a coréia (movimentos involuntários de membros). O quadro completo é improvável, e o diagnóstico é dado pela soma de sintomas com a evidência clínica ou laboratorial (ASLO ou cultura) da presença da bactéria. A coréia acontece tardiamente (3 a 6 meses depois da infecção de garganta) e é um sintoma tão característico que, se presente, o diagnóstico de FR geralmente é dado, mesmo na ausência de outros sintomas ou da evidência da infecção. Além da Coréia alguns outros sintomas de sistema nervoso são freqüentemente atribuídos à FR, apesar de haver ainda alguma polêmica nisso: agitação, irritabilidade, tiques nervosos, transtorno obsessivo-compulsivo. Apesar desta ampla gama de manifestações neurológicas, “tontura ou dormência pelo corpo” dificilmente poderiam ser atribuídas diretamente à FR. Seu neurologista vai poder te ajudar com o diagnóstico correto.

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br

  38. Elizete de Jesus Pessoa disse:

    Faz mais de dois anos que diagnosticaram a doença de behçet, no começo não acreditei muito até porque não encontrava respostas, mas agora depois de muitas pesquisas sei que realmente tenho. Tenho tido crises pelo menos uma vez por mês, mesmo fazendo tratamento com corticoide elas voltam, para uma melhora rápida eu tomo dooflan, mas gostaria de saber se existe uma maneira de previnir, se fazer exercícios, a alimentação ou qualquer informação que eu possa amanizar minha dor. Nesse momento que eu escrevo tenho 3 ulceras na vulva, as orais eu já nem menciona, pois elas nunca somem, o meu cançaco é muito grande, as pessoas as vezes não acreditam. Eu trabalho e estudo a noite. Obrigada, Elizete.
    .
    Olá, Elizete! Imagino sua dificuldade. Sim, existem diversas medicações que podem ser tentadas além do corticoide. Geralmente o controle dos sintomas é efetivo no Behçet, salvo exceções raras. Infelizmente apenas mudanças no estilo de vida, como alimentação e exercícios não são suficientes para te trazer melhoras. Algumas medicações eficazes para você não são achadas em farmácias convencionais. Seu reumatologista deve ser experiente e, preferencialmente, ligado a instituições acadêmicas, para saber os caminhos para prescrevê-las.

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br

  39. Camila C.Silva disse:

    Fui diagnosticada com lúpus sistêmico há 2 anos e desenvolvi há 1 ano a síndrome de sjogren. Há mais de 1 mês fiz uma sinovectomia total do punho direito com pronossupinação. Todas as culturas foram negativas mas o histopatológico sugeriu artrite reumatóide fibrosante e o meu reumatologista contestou o lado dizendo que não é possível artrite em uma só mão porque a manifestação da doença é sempre bilateral. Gostaria de saber se é possível artrite em um só punho mesmo eu já tendo 2 doenças auto-imunes, ou seja, seria possível uma pessoa ter 3 doenças ao mesmo tempo? Grata.


    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br

    A associação de 2 ou mais doenças autoimunes é sim possível. Lupus + S. Sjoegren (SS) é uma das associações clássicas. Lupus + artrite reumatóide (AR) também é possível e tem até nome: síndrome de sobreposição, que também pode “unir” outras doenças auto-imunes como miosite, esclerodermia… Mas concordo com seu reumatologista de que AR em uma única articulação é pouco provável. Se as pesquisas para infecção foram negativas (e considerando que elas estejam corretas), a própria SS, insultos mecânicos pela alteração da arquitetura (p.e. por jacoud, um tipo de artrite do lupus que deforma pela frouxidão de tendões e ligamentos) são hipóteses a serem consideradas. Reumatologia é frequentemente um quebra-cabeças difícil de montar e peças faltantes complicam a empreitada. O exame físico, os exames de sangue e imágem, o anatomo-patológico e a anaminese são fundamentais.

  40. clédina almeida sampaio disse:

    tenho 31 anos e na infãncia sofri com terríveis crises de garganta e aos 10 anos senti a febre reumática, onde o torrinolaringologista me prescreveu o tratamento com a penicilina benzatina com intervalos de 21 em 21 dias, por um período até os meus 21 anos. não tenho feito uso de nenhum medicamento, os meus exames de pcr e aslo oscilam entre resultados de positivo e negativo. tenho muitas dores nas articulaçoes do joelho e pés, principalmente(ainda é reumatismo?) .Será que eu deveria voltar a fazer uso das benzetacil?


    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br

    A PCR (proteína-C reativa) é uma proteína produzida pelo fígado em reação a um estímulo inflamatório em algum lugar do corpo. Sua negatividade diminui a possibilidade de, naquele momento, estar ocorrendo alguma inflamação importante no seu corpo. A grande maioria dos “reumatismos” são doenças inflamatórias e tendem a elevar o PCR, mas isto nem sempre acontece (inflamação inicial, fraca ou bastante localizada). O ASLO (anticorpo anti-streptolisina-O) marca a presença (e a quantidade) de um anticorpo contra uma bactéria específica, o Streptococcus. Algumas raras pessoas podem desenvolver um tipo de reumatismo (Febre Reumática) cerca de 3 a 5 semanas após infecções de garganta por esta bactéria. A positividade do ASLO significa apenas que você teve contato com esta bactéria (a maioria de nós tem, anualmente), mas não necessariamente que tenha desenvolvido a doença. Portanto a alteração destes exames só deve ser valorizada se o quadro clínico sugerir a FR. Joelhos e pés são ocasionalmente acometidos na FR, mas também são as articulações que mais frequentemente doem em esportistas e pessoas normais. Recomendo para você uma consulta em um bom reumatologista e o doloroso bezetacil apenas se ele estiver convencido do diagnóstico.

  41. Silvia Cassim disse:

    Na infancia tive infecções de garganta severas, aos 20 anos desenvolvi um reumatismo palindromico, que hoje 20 anos depois parece estar evoluindo para poliartrite. Tem ligação com as infecções de garganta?

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br
    Se o diagnóstico de Reumatismo Palindrômico está correto, não há evidências de que ele esteja relacionado com as infecções na garganta. Mas sim, ele pode se tornar poliarticular, quando evolui para artrite reumatóide (Leia detalhes sobre esta doenças). Outro possíveil diagnóstico para você é Febre Reumática, esta sim relacionada com as infecções na garganta, e ocasionalmente poliarticular. São diagnósticos que só o reumatologista que esteja te acompanhando, com todo o histórico e exames em mãos, pode arriscar.

  42. laura disse:

    Tive todos os sintomas de lupus eritematoso sistemico, hosp.em UTI e coma. que exames fazer para comprovar doença ?

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br

    99% dos casos de lupus (LES) são FAN (Fator anti-núcleo, um consunto de anticorpos no sangue) positivo, desde que a pesquisa seja feita com células HEP-2 (metodologia específica). A grande maioria dos 1% restante, se não todos, têm anti-Ro (outro anti-corpo) positivo. Um LES sem nenhum dos dois presentes é bastante improvável. Outros anticorpos que podem ajudar são os “anticorpos anti-fosfollipídeos” e anti-P-Ribossomal, que podem ser positivos independentemente do FAN. Entenda que o FAN pode ser positivo em até 30% de determinadas populações SAUDÁVEIS, então um FAN positivo NÃO SIGNIFICA LES! O quadro clínico e o consumo de complemento (um conjunto de proteínas específicas no sangue) durante a atividade são fundamentais para o diagnóstico.

  43. Edisângela Marim Basto disse:

    Gostaria de maiores explicações sobre o “reumatismo palindrômico.” Tenho 36 anos e tenho sofrido muito com dores nas articulações, principalmente mãos. Meu médico disse que tenho este tipo. Obrigada

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br

    Em resposta criei um artigo sobre reumatismo palindrômico. Bom proveito!

  44. David Accioly disse:

    Minha mãe descobriu que tem urticária vasculite, e desde então procura algum remédio para aliviar os sintomas, mas até agora em vão. Já fomos à alergistas, dermatologistas e nada nem ninguém resolve. Será que um reumatologista seria uma solução? Qual? e aonde?

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br
    Urticária vasculite é uma doença que, as vezes, dá mesmo bastante trabalho. Os 3 profissionais (alergistas, dermatologistas e reumatologistas) são gabaritados para tratar. Arrisco dizer que cada um tem uma abordagem relativamente diferente do problema e que, se os 2 primeiros não deram certo, vale a pena tentar um reumatologista. Quem? Onde? Um bom. Um no qual o Sr. Confie.

  45. Paulina disse:

    Tenho uma irmã com fibromialgia, e sempre pesquiso sobre o assunto.
    Ela faz psicoterapia, hidroterapia, e tem acompanhamento psiquiátrico (toma antidepressivo). Mas quanto `a atividade física, não sabe o que fazer, cada profissional defende o seu peixe, e parece que na verdade ninnguém se entende sobre o que é mais indicado. Musculação? Ioga? Alongamento? Caminhada?

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.vr
    O exercício tem mesmo um papel importante no tratamento da fibromialgia. Ele exerce seus efeitos benéficos de várias formas: através da liberação de endorfinas e outros mediadores de bem estar que diminuem a sensibilidade a dor; promovendo um melhor padrão de sono; melhorando a auto-estima e o humor; criando um espaço onde a fibromiálgica passa a se cuidar, deixando o mundo e seus problemas de lado por algumas horas. Realmente não há consenso sobre qual o melhor tipo de exercício. Eu costumo dizer que o melhor exercício é o que vai ser efetivamente feito POR LONGO PRAZO. Portanto a paciente deve escolher aquele com o qual se adapta melhor, desde que realmente faça e que saia suada! Fingir que se movimenta é enganar a sí mesmo. Leia neste site o artigo sobre fibromialgia.

  46. Cristiane disse:

    tenho duas irmãs. Uma delas tem 30 anos e tem reumatismo palindrômico há uns 10 anos mais ou menos, e a outra que tem 27 tem fibromialgia há mais ou menos uns dois anos. Eu sou a mais velha, tenho 36 anos e não tenho nenhum sinal até agora de nenhum tipo de doença reumática ou auto-imune. Tenho chances de desenvolver algum tipo destas doenças. Devo ir até um médico para acompanhamento?

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br
    O REUMATISMO PALINDRÔMICO é uma doença auto-imune. A fibromialgia não. Quem tem parentes com doenças auto-imunes tem chances apenas um pouco maiores de também vir a desenvolver uma doença igual ou semelhante. Mas como a prevalência destas doenças na população é muito pequena, as suas chances de desenvolver a doença ainda são MUITO PEQUENAS. Viva sua vida, esqueça esta história e apenas procure um médico se começar a sentir algum sintoma.

  47. Simone disse:

    Quando criança tive um diagnóstico de “reumatismo no sangue”, fiz tratamento até os 15 anos e sarei???? Solicitei exames ao médico aos 30 anos pra saber de estava mesmo curada ele disse que sim, mas sinto dores nas articulações, não com frequencia. É possível aquela doença de criança ter retornado?

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br
    REUMATISMO NO SANGUE é uma nomenclatura popular, não corresponde a uma doença específica mas a várias doenças reumáticas. Você pode, sim, ter tido alguma e ter sarado. Você pode também estar com dores em função daquele, ou de outro reumatismo. Se o processo persistir, sugiro que procure um reumatologista para uma avaliação minuciosa.

  48. Rafael disse:

    EXISTE ALGUM TRATAMENTO EFETIVO PARA O LUPUS?

    OBRIGADO

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br
    Sim. O tratamento do lupus varia para cada tipo e agressividade das manifestações, mas é geralmente efetivo. Infelizmente alguns pacientes não respondem aos tratamentos e sequelas e até obtos ocorrem mesmo com o tratamento adequado. Uma nova geração de medicações vem surgindo para esta doença ascendendo a esperança até para estes casos mais graves. Leia neste site o artigo sobre lupus.

  49. Ana Flavia disse:

    Quando eu tinha 18 anos, agora tenho quase 21, acompanhei meu pai no cardiologista para um check-up e aproveitei para fazer o meu também. No meu exame de sangue uma bacteria chamada streptococos apareceu muito acima do comparativo. Este cardiologista me informou que eu tinha o Reumatismo no sangue, porém não febre reumatica. Desde então tomo Benzetacil de 21 em 21 dias. Esta bactéria, já está abaixo do número normal, mas ele diz que tenho que continuar a tomar para prevenção. Já consultei vários cardiologistas e a única resposta que tenho é que o tratamento terá que durar até no mínimo meus 25 anos.
    Preciso mesmo tomar tudo isso? Não há uma terapia alternativa?

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br
    O reumatismo associado ao Estreptococos é chamado de FEBRE REUMÁTICA. Para se fazer este diagnóstico e “condenar” o paciente às doloridas besetacils a cada 21 dias tem-se que ter MAIS do que um exame de sangue alterado. Se você não teve sintomas como artrite, cardite (inflamação no coração que leva a um sopro ou alteração no ecocardiograma), coréia (movimentos ivoluntários de membros), certos tipos de dermatites, febre, dor nas juntas, uma alteração específica no eletrocardiograma ou elevação de exames de inflamação, o diagnóstico não se completa e a besetacil, a princípio, não é indicada. Se o diagnóstico se completar, infelizmente as injeções ainda são a melhor prevenção e devem continuar até os 25 ou 5 anos após o último surto, o que for mais longe…

  50. Marise disse:

    Lendo seu artigo sobre fibromialgia, o sr se referiu a necessidade de procurarmos um profissional da psicologia, gostaria de saber se é um ramo especial da psicologia, e se indica pa mim uma pessoa a quem possa procurar.

    Dr. Pedro Ming
    pedroming@reumatologiaavancada.com.br
    Psicoterapia tem realmente um papel fundamental no tratamento da fibromialgia. Os remédios fornecem alívio momentâneo, mas a dor tende a voltar com o tempo se as causas do problema não forem abordadas. A melhor linha é aquela à qual você melhor se adaptar. A relação terapêuta-paciente e a competência do terapêuta são mais importantes do que a linha em sí.

Envie um Comentário ou Pergunta!